Produtos e Serviços : Coaching Executivo

O Coaching Executivo visa orientar os gestores empresariais no alinhamento às circunstâncias da nova economia em permanente mudança, explorando seu potencial de desenvolvimento para o cumprimento de seus objetivos profissionais. Também ainda traz consigo o objetivo de capacitá-los de modo que possam aplicar os conceitos e a metodologia para o desenvolvimento de suas equipes.

Na prática, é o processo pelo qual um coach - aquele que orienta - e o coachee - aquele que é orientado - formam uma parceria para identificar e desenvolver competências profissionais necessárias ao coachee. Portanto, a essência do trabalho está na descoberta das competências e na fixação de metas para desenvolvê-las, com vistas a alcançar suas metas de negócios.

Nesta proposta, a formação de gestores empresariais ocorrerá pela aplicação da Fenomenologia da Competência, uma metodologia desenvolvida pela Mettodo para assegurar o atingimento das competências profissionais do coachee para que ele e sua equipe atinjam patamares de desempenho elevados nos negócios.

Este trabalho pode ser realizado individualmente com cada gestor ou coletivamente com o grupo de gestores. Ao final do programa, os gestores participantes serão capazes de:

  • obter maior autoconhecimento;
  • lidar melhor com mudanças;
  • assumir maiores riscos;
  • realizar coaching executivo com sua equipe;
  • demonstrar cultura geral e aplicar conhecimentos inovadores das demais ciências, buscando inovação na gestão empresarial;
  • lidar melhor com as questões de poder, influência, delegação e conflitos no âmbito profissional;
  • lidar melhor com a complexidade inerente ao modelo de negócios da Nova Economia;
  • lidar melhor com as funções executivas, em especial a prática do método PDCA em sua área, a partir de uma nova visão de competência profissional.

A metodologia da Mettodo para a realização do coaching executivo é fundamentada na abordagem fenomenológica de Edmund Husserl, um método filosófico que visa apreender, para além dos seres empíricos e individuais, as essências absolutas de tudo quanto existe.

Este trabalho se desenvolve de forma integrada considerando quatro dimensões, numa abordagem não-linear, na perspectiva da metáfora do bootstrap, por meio de meta reflexões sobre Verdade (Neoscientia), Certeza (Caoplexa), Comunicação (Enactiva) e Sabedoria (Noética).

É realizado em sessões conduzidas pelos facilitadores, individualmente com cada gestor ou com o grupo participante do programa. Cada encontro combina o aporte de conhecimentos e a análise de situações de follow-up baseadas na realidade dos participantes, além de exercícios individuais personalizados para o desenvolvimento de suas competências.

Este trabalho é dividido em quatro fases:

A Fase 1 - Reflexão Estratégica Individual busca ampliar o autoconhecimento e orientar em relação à atuação profissional e à vida como um todo do gestor. Utiliza ferramentas inovadoras que operam em uma dinâmica não-linear, visando definir um novo padrão de agir no mundo. Esta fase também tem sido utilizada como pré-requisito para a construção do planejamento estratégico empresarial, em situações de desenvolvimento de carreira e outplacement, como forma de provocar reflexões pessoais com vistas à metanóia. Ao final desta etapa, o gestor deverá ter iniciado a elaboração de seu PEI - Plano Estratégico Individual com a definição de sua filosofia de vida, missão, objetivos, papéis e valores ou seu PEG - Plano Estratégico Grupal alinhado à filosofia da organização.

A Fase 2 - Desenvolvendo a Competência Não-Linear, que inclui a utilização do Método Socrático para a desconstrução dos modelos mentais restritivos ao desenvolvimento de competências profissionais por indivíduos e equipes, focaliza a emergente competência analinear sob a ótica das abordagens Neoscientia, Caoplexa, Enactiva e Noética, como ilustrado pela figura abaixo.

 

 

Neoscientia (Verdade) diz respeito à cultura geral e aos conhecimentos sobre as inovações das ciências, em especial da Filosofia, da Física, da Biologia e da Química, que podem ser aplicadas à gestão empresarial. Esta abordagem é especialmente útil porque os executivos continuam falando uma linguagem antiga, sem correlação com a ciência atual. Vivemos na era da tecnologia de ponta, usamos no dia-a-dia uma ciência moderna, mas não conhecemos os fundamentos desse novo mundo. Albert Einstein, Niels Bohr e Werner Heisenberg já não são nomes novos, mas ainda não temos competência para usar suas idéias. Bell continua a ser um desconhecido, apesar do aspecto revolucionário de sua concepção do mundo. Além de estarmos desatualizados do moderno, em grande parte também estamos do passado. Ouvimos falar em Platão, talvez, mas, nesse mundo sistêmico, quem leu e refletiu sobre “A República”? A essência do filosofar como ação prática ainda é pouco desenvolvida, embora seja sugerido que se crie nas empresas um CRO – Chief of Reflection Officer.

Caoplexa (Certeza) está relacionada à teoria de sistemas caóticos determinísticos e à complexidade. Vivemos em uma era sistêmica, mas temos dificuldade em ter competência sistêmica. A própria “visão sistêmica” está em transição para a nova concepção dos sistemas dinâmicos complexos. A “Holonlógica” de Arthur Koestler, o “Bootstrap” de Geoffrey Chew e as concepções holográficas do cérebro e do universo são fundamentais para entendermos um mundo que nos parece confuso, mas que é, tão somente, complexo, caótico. Este enfoque se torna muito importante para uma configuração de cenários futuros. Os executivos da complementaridade e do caos determinístico são cada vez mais necessários no mundo do terceiro milênio.

Enactiva (Comunicação) tem a ver com a ontologia específica de cada indivíduo. Nesse sentido, a comunicação é cada vez mais uma competência fundamental. Um novo quadro epistêmico está revolucionando o mundo. Humberto Maturana e Francisco Varela na “Teoria de Santiago” estão pedindo uma nova forma de competência, a da “objetividade entre parênteses”, de tantos mundos como pessoas, com tantas verdades também. Isto nos exige a construção de mundos comuns, dentro das múltiplas ontologias constitutivas que podem existir. A herança cultural dos memes, os campos mórficos de Sheldrake, a consciência como construtora da realidade em que vivemos são conceitos importantes para tal objetivo.

Noética (Sabedoria) refere-se à espiritualidade nas empresas. A bibliografia da chamada auto-ajuda lota as prateleiras das livrarias e virou commodity. É preciso uma reflexão profunda, uma competência essencial que nos dê sentido à vida, que nos conduza a um estado de flow. As tradições espirituais parecem nos colocar num “atrator” que nos conduz a uma única direção, uma unidade e unicidade cósmica fundamental. Buda, Lao-Tsé, Cristo, Maomé, Bodhidharma e outros mestres nos descortinaram uma nova concepção de vida. Uma nova metanóia, uma maneira velho-nova de viver a vida. Uma reflexão dialética sobre a racionalidade como padrão normativo e o discurso como instrumento de comunicação da vida, contrapondo-se à existência de uma sabedoria situada no domínio do inefável.

A Fase 3 – Desenvolvendo a Competência Linear focaliza o uso de técnicas e ferramentas para o desenvolvimento da competência de gestão dos participantes do programa, capacitando-os para a realização de trabalho semelhante com suas próprias equipes, no contexto competitivo das empresas.

No contexto desta proposta, Gestão se traduz no desenvolvimento das habilidades necessárias ao sucesso dos gestores modernos. Na prática, equivale ao aporte de conhecimentos e habilidades específicas para a atuação como gestor, a partir de uma nova visão de modelo de competências, no qual são abordados os seguintes temas: Gestão do Conhecimento, Gestão de Equipes, Gestão da Comunicação, Gestão da Liderança, Gestão do Clima Organizacional, Gestão do Desempenho (PDCA), Gestão de Projetos, Gestão do Tempo, Gestão da Mudança e Gestão da Inovação.

A Fase 4 - Atitude Bootstrap encerra o trabalho com um exercício de avaliação da evolução do mentee em relação ao desenvolvimento das competências trabalhadas.

O trabalho se desenvolve por meio de 22 sessões conjuntas, incluindo um ou os dois facilitadores (no papel de coach) e o gestor (no papel de coachee). Estas sessões concentram-se na análise de situações com as quais o gestor se depara no seu dia-a-dia, no compartilhamento de insights e na troca de experiências. O coach atua no apoio do coachee para levantar seus pontos fortes e fracos e, com isso, encontrar soluções adequadas para suas circunstâncias específicas. Esta abordagem é baseada no princípio de que as pessoas não aprendem novas atitudes por meio de conselhos ou da imposição de soluções prontas, mas analisando suas próprias experiências, extraindo lições e procurando suas próprias soluções, baseada na sua análise pessoal. O coachee, apoiando, acelera esse processo de aprendizagem.

 

 

A Fase 1 - Reflexão Estratégica Individual prevê um total de 6 horas com cada gestor participante do programa, sendo realizada em 2 encontros semanais de 2 horas de duração para apresentação da metodologia do trabalho, a elaboração da agenda de trabalhos e a realização da reflexão estratégica individual propriamente dita. Nesta fase serão trabalhadas dinâmicas de autoconhecimento, tendo ao seu final uma entrevista devolutiva do facilitador para o gestor para tratar da análise dos trabalhos das reuniões anteriores e assim proporcionar ao gestor uma visão mais ampliada do sentido de sua vida, permitindo o início da construção de seu PEI - Plano Estratégico Individual.

A Fase 2 - Desenvolvimento da Competência Não-Linear prevê um total de 16 horas com cada participante do programa, sendo realizada após a conclusão da Fase 1, em 8 encontros semanais de 2 quinzenais de duração. Ao final desta fase, os participantes terão desenvolvido as quatro abordagens da competência não-linear emergente (Neoscientia, Enactiva, Noética e Caoplexa). Nesta fase são realizadas dinâmicas como as “Caixas Ontológicas” de Maturana e Varela, “Meditação/ Relaxação” de Simonton, “I Ching” e “Teste dos 5 Estados da Consciência” de Pierre Case.

A Fase 3 - Desenvolvimento da Competência de Gestão prevê um total de 20 horas com cada participante do programa, sendo realizada intercaladamente com os encontros da segunda etapa da Fase 2. Ocorre com 10 encontros quinzenais de 2 horas de duração. O encontro final configura um Rito de Passagem para assinalar os progressos alcançados pelo coachee ao final de todo o trabalho. Ao final desta fase, os participantes terão desenvolvido os 10 aspectos da competência de gestão complementares às abordagens da competência não-linear trabalhada.

O trabalho é concluído com a Fase 4 - Atitude Bootstrap, na qual o último encontro, com 4 horas de duração, serve como avaliação do progresso obtido pelo coachee por meio de um exercício de atitude Bootstrap que visa à configuração pragmática de uma não-linearidade significativa em termos de competência analinear e de gestão, capacitando-o assim para atingir resultados a partir de uma atitude não fundamentada no saber e no saber fazer, mas no querer fazer.

Para apoiar o coachee na elaboração e desenvolvimento de seu PEI, são realizados 3 encontros de 2 horas de duração, durante o processo.

Como reconhecimento pela conclusão do programa, cada participante recebe uma pirâmide de cristal que o certificam como apto a realizar o trabalho com sua própria equipe.